Ângulo do Captor Franklin


Classe do SPDA


Raio
Espera (m)


até 20m
a


h21 a 29m
a


h30 a 44m
a


h45 a 59m
a


h>60
—-


Malha da Gaiola


Espaçamento das Descidas

I

20

25º

A

A

A

B

5×5

10

II

30

35º

25º

A

A

B

10×10

10

III

45

45º

35º

25º

A

B

15×15

15

IV

60

55º

45º

35º

25º

B

20×20

20

Unidades

Metros

Graus

Graus

Graus

Graus

Graus

Metros

Metros

A=Aplicar somente Gaiola de Faraday ou Esfera Rolante
B=Aplicar somente Gaiola de Faraday
h=Altura do captor
a=Ângulo de proteção (franklin)

GENERALIDADES

Todas as peças e acessórios de origem ferrosa, usados no SPDA, deverão ser galvanizadas à fogo ou banhadas com 254 micrômetros de cobre. Fica assim proibida a zincagem eletrolítica.
Para efeito de projeto devemos seguir os parâmetros indicados na norma para dimensionamento das bitolas dos condutores (tabela 2) e o nível de proteção adequado para cada edificação (tabela 3), só assim chegará a um nível satisfatório de eficiência do SPDA (tabela 4), sendo que a NBR5419/15 não garante 100% de eficiência.
Todas estruturas metálicas, inclusive as antenas de TV que estiverem sobre a edificação são obrigadas a estarem interligadas ao sistema de pára-raios. Neste caso o cabo utilizado pode ser de 16mm2.
Instalações providas de Captores Radioativos (proibidos desde 1989) e instalações executadas antes de 2000 devem ser revisados. Os captores radioativos deverão ser recolhidos ao CNEN.
Lembramos que no caso de ocorrência de algum sinistro ou acidente mais grave com morte, estando o sistema de proteção fora dos padrões da norma, a seguradora pode negar-se a cobrir os prejuízos, e o responsável pela edificação responderá civil e criminalmente pelo ocorrido.

TABELA DAS BITOLAS DOS CONDUTORES (mm2)

 

CLASSE DO SPDA

MATERIAL 

Captação
mm2

Descidas
mm2

Aterramento
mm2

(Não cravado)

Equalizações Alta Corrente
mm2

Equalizações Baixa Corrente
mm2

Cobre

35

35

50

16

6

I a IV

Alumínio

70

70

25

10

Aço (Galvanizado a quente)

50

50

70

(Encordoado)

50

16

* Para edificações acima de 20 metros, dimensionar a bitola das descidas e anéis de cintamento, igual à bitola de captação devida à presença de descargas laterais.
Obs.: As bitolas acima se referem à seção transversal dos condutores em mm.

TABELA PARA SELEÇÃO DO NÍVEL DE PROTEÇÃO

 

TIPO DE EDIFICAÇÃO

 

CLASSE DO SPDA

 

Edificações com explosivos, inflamáveis, industriais Químicos, Nucleares, Laboratórios bioquímicos, Fábricas de munição e fogos de artifício, Estações de telecomunicações, Usinas Elétricas, Indústrias com risco de incêndio, Refinarias, etc.

 

NÍVEL I

 

Edifícios Comerciais, Bancos, Teatros, Museus, Locais arqueológicos, Hospitais, Prisões, Casas de Repouso, Escolas, Igrejas, Áreas Esportivas.

 

NÍVEL II

 

Edifícios Residenciais, Industrias, Casas, Estabelecimentos Agropecuários e Fazendas com estruturas em madeira.

 

NÍVEL III

 

Galpões com sucata ou de conteúdo desprezível, fazendas e/ou estabelecimentos agropecuários com estrutura em madeira.

 

NÍVEL IV

Obs.: No caso de edificações muito perigosas (inflamáveis, produtos tóxicos, explosivos, etc.) deverá ser consultado um especialista para análise do grau de periculosidade para a vizinhança, determinar a área de inalação de gases e até onde a ignição poderá ser iniciada,etc.

Nível de Eficiléncia do SPDA

CLASSE DO SPDA

Eficiência de Proteção

I

98%

II

95%

III

90%

IV

80%